sexta-feira, 5 de julho de 2019

Não tens medo de andar sozinho?

Schlögen, Áustria
Sou alvo de muitas perguntas sobre esta matéria. A primeira questão que me colocam é:
- Não tens medo de andar sozinho?
O mundo é muito melhor do que o sensacionalismo criminal das TVs indica. A perceção televisiva é que cada desconhecido é um perigo, em verdade é uma oportunidade de convívio e amizade. Em rigor não tenho tido medo, algumas vezes receio. Planeamento e prevenção são as minhas palavras-chave e solução sobre que situação for.
- Já levas tudo planeado onde vais dormir, não é?
Não, em regra só a primeira ou duas primeiras noites, são marcadas previamente. As seguintes são calculadas senão uma previsão de quilometragem – que na maioria das vezes não acontece :). Na última cicloviagem, Danúbio, a primeira noite em acampamento foi gorada por este estar inundado pelo rio. O treino de dormida foi cerca de uma semana dormindo na sala de casa em cima de um simples colchão de trekking [daqueles fininhos] com o saco cama [10 graus] que ia usar.
- E como comes?
Essa é a minha maior dificuldade, até pelo facto de ser intolerante ao glúten. Significa que também isso precisa de algum planeamento e medidas de prevenção. Eu não tenho [ainda] prática de fazer comida em cicloviagem mas barritas, bananas e amendoins costumam fazer-me companhia.
- Já sabes onde vais passar?
Antes de uma cicloviagem leio o suficiente sobre ela até me sentir suficientemente confortável. Tenho uma ideia onde vou passar e o que irei ver, como e quando. Ter uma ideia é isso mesmo, por exemplo: na última viagem não consegui encontrar um campo arqueológico romano em Enns e uns 20 kms antes tive de fazer uma bela subida até ao campo de concentração de Mauthausen.
- Quais as ciclo-viagens que já fizeste?
Rota Vicentina [em equipa], quatro caminhos de Santiago, Caminho Lebaniego/Picos da Europa e Rio Danúbio. Os períodos de viagem variam entre 5 e 18 dias.
- Que medidas técnicas recomendas?
Para além das peças simples de substituição e reparação [pneus com líquido anti-furo, reparadores, pastilhas de travão, câmara, um cabo, um dropot, spray anti-furo], aconselho a que leves luzes, mapsme no telemóvel [com campings e locais a visitar carregados] e gps – deves ter sempre sempre uma redundância no sistema de orientação embora no caminho de Santiago quase nem é preciso nada. A fita-cola conhecida como fita americana pode ser importante, nem que seja para embalar a bike no regresso.
- A questão da língua…
Saber um mínimo de inglês é essencial na Europa, francês em Marrocos, assim como o castelhano. Procura saber dizer palavras-chave na língua do país que vais visitar. Uma ferramenta útil é o Google translator, descarrega primeiro as línguas para teres tradução offline, de outro modo terás de utilizar dados para a tradução.
- E com o dinheiro?
Levo euros em vários “locais” de mais difícil acesso a ladrões, cartão de crédito recarregável Revolut / Mastercard, multibanco / Visa e aplicação Mbway. Nos destinos, se fores ao multibanco procura fazê-lo num interior de agência bancária e não andes com dinheiro à mostra. Não uses objetos de valor à vista, não coloques mochilas ou malas ao lado de ti, ou na cadeira ao lado… O cartão de crédito virtual de uso único pode ser útil para evitares que te tenham acesso à conta. Atenção ao uso de palavras passe em locais de acesso gratuito.
- Saúde?
Na Europa tira previamente o cartão de seguro europeu, faz seguro de viagem e leva medicamentos base ou essenciais como um desinfetante. Para locais onde a água possa ter qualidade duvidosa não se perde teres contigo uns comprimidos desinfetantes e um antibiótico de largo espetro.
- E outras notas básicas?
Se comprares bilhete de avião pela net, faz primeiro limpeza de computador e depois usa a navegação anónima. Se precisares de simular muito tenta usar outras datas e não a que pretendes. Quando te decidires pela data começa por usar um agregador e logo depois o da companhia que escolheres, vai avançando até saberes a certeza da decisão e fazeres a compra. Digitaliza a tua documentação e guarda-a no telemóvel e num e-mail. Tem um bom powerbank.
- Que ganhas nessas viagens?
Conhecimento histórico e social, prazer do contato com a natureza, aprender novas culturas e línguas, visitar imensos locais históricos, percorrer a beleza da vida... Ah, faço muitas perguntas; talvez seja o cicloviajante mais chato e curioso :) :)
Afinal, viajar é a única atividade em que se fica mais rico gastando dinheiro!

2 comentários:

  1. Faz-me bem ler seus textos... viajo nas suas palavras... e gosto de receber seus textos motivadores e lucidos e detrminados... Parabéns!!! Voce me ajuda a parar de fumar...

    ResponderEliminar